Postado em 08/04/2011

O invejoso é como uma estrela cadente!

A inveja é sentimento de incompetência. Este sentimento provém da própria inveja, pois o invejoso não tem metas próprias a alcançar uma vez que seus objetivos variam, pois estão condicionados às mais recentes conquistas de terceiros. O invejoso não se satisfaz em ter somente as coisas de outrem, mas deseja o lugar delas. Falta brio na personalidade do invejoso. A personalidade é a forma de ser, de agir e reagir de determinada pessoa, mas o invejoso consciente ou inconscientemente maquia sua personalidade. O mais perigoso é que a inveja vem de pessoas que menos se espera. Geralmente, ela surge nas pessoas mais próximas do nosso convívio, das que nos cercam e até se assentam à nossa mesa, se aproveitando disso, o invejoso começa a minar as forças do invejado, sem que por muitas e muitas vezes este perceba.

A inveja é totalmente maligna, nasceu com o próprio inimigo, uma vez que este ao atentar para o Criador, ao invés de louvor, temor e amor, ficou totalmente deslumbrado. Dando sentimentos humanos para ele, eu o imagino todo eufórico, como alguém que achou que tinha descoberto um grande tesouro para o seu sucesso pessoal. O texto a seguir é muito empregado ao inimigo. “Eu subirei ao céu. Acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono; no monte da congregação me assentarei, nas extremidades do norte. Subirei acima das mais altas nuvens; serei semelhante a Deus” [Isaías 14:13] - quando na verdade podemos dizer que queria tomar o lugar e ser adorado como o próprio Deus.

Isso me faz meditar sobre uma coisa; o invejoso tanto pode cobiçar por pequenas coisas, desde o de desejar uma roupa idêntica à de alguém que inveje, quanto pode desejar as coisas mais absurdas como querer competir com alguém que está muito além de sua capacidade intelectual, social ou cultural. Não quero com isso reafirmar teorias que sobrepujam pessoas sobre pessoas, como a exemplo de Hitler, que pregava que o povo alemão era a “raça pura” e superior a judeus, negros etc. O que digo é que o invejoso, muitas vezes encontra-se despreparado, mas fica cego e obcecado e acha que pode competir de igual para igual e muitas vezes acha que ele é o melhor , mas está numa condição inferior por injustiça. Este desejo faz com que este faça papéis ridículos, pois não sabe o seu lugar e não reconhece a sua limitação. Chega a desprezar suas melhores qualidades por viver obstinado por outra pessoa. Deixo claro que não há concorrentes para Deus. Deus não foi criado. Ele é o Criador.

A inveja é como a ferrugem que destrói. Ela tanto poderá destruir o invejoso como prejudicar, e muito, o invejado. Se faltar discernimento ao invejado, este poderá sofrer um grande dano – “Cruel é o furor e impetuosa a ira, mas quem pode parar na presença da inveja?” [Provérbios 27:40].

A inveja pode preceder o ódio e mesmo a relação de ‘ amizade ‘ onde um seja o invejoso pode durar anos. Mas a inveja é tão maligna que poderá fazer o invejoso mentir, trapacear, insubordinar-se e até matar. Foi o caso de Caim que matou seu irmão Abel (Gênesis 4) e dos irmãos de José que o venderam como escravo para mercadores que o revenderam no Egito e, depois, mentiram para o vosso pai (Gênesis 37). Há outro caso ainda bem conhecido, o de Saul, que intentou contra vida de Davi. A Bíblia conta: “As mulheres, dançando, cantando umas para as outras, dizendo: Saul feriu os seus milhares, porém Davi os seus dez milhares. Então Saul se indignou muito, pois estas palavras lhe desagradaram muito, e pensou: Dez milhares deram a Davi, e a mim somente milhares. Na verdade, o que lhe falta, senão só o reino? Daquele dia em diante Saul trazia Davi sob suspeita” - disse mais Saul: “Encravarei a Davi na parede” (1Samuel 18). Saul bem que podia alegrar-se por Davi ser um de seus soldados e amigo de seus filhos, mas o detestou, pois ficou com seu ego ferido.

Assim, entendemos como a inveja é traiçoeira. Muitas vezes, o invejoso pensa estar curado desse seu mal, até que aquele a quem inveja apareça com uma nova conquista. Percebo que o invejoso pode sentir inveja por várias pessoas, mas normalmente, este sentimento é mais intenso e prevalente por uma pessoa específica, por isso o invejoso sempre despreza as suas melhores conquistas, aquelas conseguidas pelo seu próprio mérito e sempre valorizará mais as conquistas do outro. Sempre estará descontente com sua condição e sempre quererá a posição do outro.  

A inveja é a podridão dos ossos

Muitas dissensões dentro da igreja são provocadas pela inveja que é resultado de espírito mundano. A Bíblia fala sobre isto: “Verdade é que muitos pregam a Cristo por inveja e porfia...” [Filipenses 1:15] – e... “Ainda sois carnais. Pois havendo entre vós inveja e contendas, não sois carnais e não andais segundo os homens?” [1Coríntios 3:3].

Ao ler um livro sobre discipulado o qual não me lembro o nome, o autor adverte dizendo que o discipulador precisa ser uma pessoa madura, pois muitos de seus discípulos poderão tornar-se excelentes evangelizadores ou pregadores ou passarão a exercitar de maneira comovente um determinado dom natural, como por exemplo, tornando-se um famoso cantor (a) ou ainda receber dons ministeriais diferentes do discipulador. Agora, imagine um Pregador que venha a ter bronca de um membro que tenha pregado melhor do que ele. Faz sentido. É claro que não. A inveja não provém de Deus e ambos pregam para anunciar o Reino de Deus.

Infelizmente, o invejoso que não procurar a origem deste seu mal e não se livrar dele, acabará tornando-se fingido e faccioso – “Pois onde há inveja e sentimento faccioso, aí há confusão e toda obra má” [Tiago 3:16].

Considero que a inveja não é pela coisa/objeto/cargo, isto seria uma aspiração. Ela é por uma pessoa, pelo que ela é, pelo que ela tem e até pelo que se imagina que ela será. O invejoso sempre procurará justificativas por possuir os mesmos gostos que o da outra pessoa, mas na verdade ele é aficionado pelo outro. Se esta pessoa deixar de existir, é quase certo que o invejoso já não valorizará as mesmas coisas adquiridas por causa do outro como antes. Ou poderá ser ao contrário, ele poderá desdenhar as conquistas do outro e mesmo querendo, podendo e em alguns casos, até precisando da mesma coisa que o outro adquiriu, poderá vir a recusá-la para não se sentir inferior.

Apesar de tudo, o invejoso nunca consegue o que deseja, pois uma vez que sua vontade é a de ser ou estar no lugar do outro seu desejo será sempre frustrado, pois isto não é possível. Mesmo obtendo as mesmas coisas, seu desejo não será completo, pois este seu desejo é pelo outro. “Cobiçais, mas nada tendes. Matais e invejais, mas não podeis obter o que desejais. Combateis e guerreais. Nada tendes porque não pedis. Pedis e não recebeis porque pedis mal, para gastardes em vossos prazeres” [Tiago 4:2,3]. Mesmo assim, o invejoso poderá sentir algum prazer ao ver esporadicamente os planos frustrados do invejado. Por mais que o invejoso, mentindo, diga que deseja o bem daquele que inveja na prática ele procurará boicotá-lo ou simplesmente não colaborar, deixando a falsa impressão de que não pôde fazê-lo. Faz isto para que não tenha que suportar o possível sucesso do outro.

Fica claro que o invejoso não está em comunhão com Deus uma vez que a inveja é totalmente maligna. Em Marcos 7:20, 23 o Senhor Jesus ensina que ela é uma das coisas que contamina o homem: “O que sai da boca do homem é o que o contamina. Pois do interior do coração do homem saem os maus pensamentos, os adultérios, as prostituições, os homicídios, os furtos, a avareza, as maldades o engano, a lascívia, a inveja, a blasfêmia, a soberba e a loucura. Todos estes males saem de dentro e contaminam o homem”. Para o invejoso pouco adiantará certos sacrifícios ritualísticos, rigor na disciplina ou assiduidade na congregação com o objetivo de agradar a Deus veja o que diz a Palavra “Pois (muitos) têm na verdade, aparência de sabedoria, em culto voluntário, humildade fingida e severidade para com o corpo, mas (isto) não têm valor algum com a satisfação da carne”. [Colossenses 2:23] - , pois seu coração está escuro, sombrio em trevas. E a palavra de Deus nos alerta: “Sobre o que deve guardar, guarda o teu coração, pois dele procedem a saídas da vida”. E ainda: “Filho meu, daí-me o teu coração”. [Provérbio 23:26].

O invejoso entristece as pessoas que lhe querem bem, pois uma vez obstinado por uma determinada pessoa só têm olhos para ela (Provérbios 4:23). Mas a Bíblia também fala sobre isto, que a “lâmpada do corpo são os olhos. Se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz. Se, porém, os teus olhos forem maus, todo o teu corpo estará em trevas. Portanto, se a luz que em ti há são trevas, quão grandes são estas trevas!” [Mateus 6.22]. O invejoso vê, cobiça em seu coração corrompe sua personalidade e distorce o valor das coisas. Quem sente inveja está fora do amor que a Bíblia nos ensina, onde diz que o “o amor é paciente, é benigno. O amor não inveja, não se vangloria e nem se ensoberbece”. [1Coríntios 13:4]. Quem tem o amor de Deus em seu coração, se alegra com a conquista dos outros e chega a entristecer-se quando não pode ajudar ao próximo. Ele chora com os que choram e ao contrário do invejoso, se alegra com os que se alegram.

A inveja é concupiscência da carne, e se de um lado a Bíblia nos exorta a rejeitarmos os “frutos da carne” que são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras, pelejas, dissensões, facções, invejas, bebedices, orgias e coisas semelhantes a estas, de outro lado, nos ensina a andarmos no espírito e os “frutos do espírito” são amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências. Se vivemos no espírito, andemos também no espírito. “Não nos tornemos convencidos, irritando-nos uns aos outros invejando-nos uns aos outros”. (l 5: 16 a 26). Assim, se alguém está sendo tomado pela inveja precisará consagrar-se a Deus e estudar a Sua Palavra e entender que também é importante para Ele. Que é amada por Ele. Que possui grandes qualidades dadas por Deus e que só precisa desenvolvê-las. Deve apreciar seus dons naturais sejam eles externos ou internos e buscar “com zelo” os dons ministeriais. Mas jamais por contenda e nem por vanglória. Não deixemos que a inveja nos derrube, mas façamos brilhar a luz do espírito de Deus que habita em nós.

Ah! A estrela cadente não é uma estrela, mas um meteoro caindo no espaço. A Estrela possui luz própria e o meteoro não. Porém, na queda o meteoro entra em choque com a atmosfera terrestre e pega fogo. Você já viu uma chuva de meteoritos? Eu já. São vários meteoros, caindo, caindo e caindo. É muito bonito, mas a maioria deles se desintegram...

www.igrejadedeusemsaopaulo.org.br